domingo, 8 de junho de 2008

Estamos, eu e Fernanda, em Varanasi. Chegamos faz pouco, são 2 da tarde. 36 graus ao descer do avião :-)

Lá de cima, a cidade parece um mosaico. Figuras geométricas se avizinham. Já em terra, podemos distinguir diversos tons de bege e marrom com algum verde atrevido, daqueles que resistem por destino. É tudo bem plano.

As pessoas colorem as ruas. Mulheres e seus saris, homens de doti, crianças adornadas pelo sol. Vimos muito pouco até agora: nossa aventura - interna e de pesquisa - começa às 4. O calor não permite a ansiedade da descoberta e, assim, temos que esperar até o sol intimidar-se um pouco.

Benares, como era chamada, é uma das cidades sagradas da Índia. Acredita-se que foi o lugar escolhido por Shiva para morar com a sua esposa, Parvati, depois do casamento. O Ganges, considerado um elemento feminino (Mother Ganga), passa por aqui e em suas margens acontecem vários pujas e também as cerimônias de cremação dos corpos, um hitual hindu.

Varanasi, para mim, ainda é só a vista da nossa janela, o cheiro deste quarto, o enfeite vermelho sobre os lençóis, os vidros - que parecem conter todo o tempo do mundo - em contraste e comunhão com a televisão de tela plana, a água ligeiramente quente e o som da companhia da Fê, que na outra cama também desliza os dedos sobre o teclado (estamos num silêncio cheio de conversas, pode crer! :-)). Mas sei que não voltarei a mesma à noite. E nem quero passar imune.

Beijos!

3 comentários:

Anônimo disse...

que lindas vc e sua índia!
bem que gloria antecipava: "gio vai se acabar de amores por essa loucura que é a índia". dito e feito.
aproveite muito, querida. e a gente vai se falando...
beijos,
bianca

ersatz disse...

Usar hiperlinks como o de Varanasi é um carinho muito util aos leitores daqui. Ainda leio Planeta Índia e me cerco por você e Glória na internet. É só um pequeno espaço do dia, mas é um lugar muito especial e rico. Embora o livro já não esteja tão fluído quanto no início. Os problemas começaram a ser tratados também e umas questões, mais economicas que culturais, se repetem com novas visões. Mas é um planeta muito nosso. Forte abraço.

Namastê disse...

Varanasi-
É a porta para outro plano,nos deparamos realmente entre a vida e a morte.Uma sensação estranha e o mesmo tempo confortavél.
Enfim só sentindo mesmo e interpretando a energia dessa cidade,mas com certeza não voltaremos ser os mesmos apos a visita em Varanasi...Luz para ti Gi...Namaska..Deva Shakti